O mito da melhor versão

O que é ser a melhor versão de si mesmo? Quero compartilhar com você, um pouco deste papo de ser sua melhor versão e como isso pode te levar para a frustração e autosabotagem.


Acho maravilhoso buscarmos nossa evolução constante e nosso autoconhecimento, porém o
processo é muito mais complexo quando criamos a ideia de um ideal á ser alcançado. Quando
você pensa em uma melhor versão de si mesmo, como é?


É bem provável que você tenha descrito um padrão de perfeição, plenitude, paz interior,
alegria, goodvibes, fluidez, controle emocional e satisfação, certo? Esquecemos que somos
seres cíclicos e que é impossível estar pleno o tempo todo.


Se você leva ao “pé da letra” encontrar uma melhor versão, vai viver correndo atrás dela, sem
sucesso. Sabe por que? Porque ela não existe e por isso, é impossível de ser alcançada.
Eu sei que você deve estar pensando: o que eu faço então? Fico parado, esperando a vida
passar, na inercia?


Claro que não!

A sua intenção deve estar no alinhamento do que seu corpo e sua essência
estão manifestando. Ou seja, escolher a cada dia, ser e fazer o que você sabe e sente que é o
melhor, naquele momento, com os recursos disponíveis.

Você vai continuar trabalhando na sua evolução, mas sem a pressão e a criação de expectativas
altíssimas e que te causam um senso de inadequação ou incapacidade.
Estar 100% do tempo feliz, exercendo a gratidão, meditando, com paz interior, satisfeito com
tudo, sem problemas ou conflitos, não existe! Mas é o que projetamos no contexto da melhor
versão.


Sua melhor versão é o orai e vigiai, o tempo todo. O que estou pensando agora? Porque senti
raiva nesta situação? Como posso acolher a tristeza que senti com aquela pessoa?
A partir dos questionamentos a si mesmo, você vai cada vez mais se curando, acolhendo e
aceitando o fluir da vida, sem tanta autocobrança.

Se hoje você teve um sono agitado, acordou de mal humor e não está conseguindo se concentrar
no seu yoga matinal, está tudo bem!
Acolha que é normal não estar com o mesmo nível de energia, todo santo dia, ok?

Ao invés de brigar consigo mesmo e se cobrar que deveria fazer a aula de yoga, você pode optar por ouvir
seu corpo e sentir o que ele está querendo te mostrar com esta noite agitada e uma baixa de
energia, pela manhã. Talvez, seu corpo não esteja precisando de yoga hoje.

Talvez, ele queira alguns minutos a mais de descanso ou um alongamento, apenas. E quer saber? Tá tudo bem!
Respeitar seus ciclos, suas emoções e ouvir seu corpo fazem toda a diferença quando você
busca evoluir, mas sem a pretensão da perfeição e da rigidez excessiva.


Busque alinhamento da sua essência ao invés de uma melhor versão idealizada! Te garanto
que você vai se sentir muito mais leve e em paz consigo mesmo.
Combinado, amor?


Se você busca autoconhecimento para viver com mais protagonismo e propósito, me siga pelo
perfil @astrologiaparaelas e manda um “oi”, beleza?
Um grande beijo de luz,
Angélica de Pádua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *